ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão Ler mais tarde

Como estrear bem no cargo de diretor

Conheça dicas preciosas e leia um breve panorama sobre a seleção e capacitação de diretores escolares para exercer essa função com sucesso

por:
NL
Noêmia Lopes
03 de Fevereiro 2011 - 10:10
Todo diretor se lembra de seu primeiro dia na função. A estreia pode ter sido na escola onde já trabalhava como professor ou em outra totalmente estranha, mas o frio na barriga é o mesmo. Afinal, tudo é novidade: o papel de líder, a responsabilidade pela aprendizagem e pelo funcionamento da escola e o relacionamento com a comunidade.

Com tantas atribuições, é comum surgirem dúvidas sobre como agir na transição. De acordo com Agnelson Correali, consultor de recursos humanos, "a primeira coisa que um gestor deve fazer é apresentar-se a todos, caso ainda não os conheça, e comunicar que conversará individualmente com os membros da equipe. Assim, o grupo pode conhecê-lo melhor e você saber o que cada um espera de sua gestão".

Nessa conversa, é importante perguntar a funcionários, professores e demais gestores: quais são os desafios atuais? O que gostariam de modificar? Quais sugestões têm para melhorar o próprio trabalho e a escola como um todo? Que projetos tiveram bons resultados? Com isso, é possível ter um panorama sobre a percepção dos profissionais que ali trabalham e uma ideia de como estão as relações entre eles.

Paralelamente, é preciso conhecer a comunidade e as expectativas de pais e alunos. É importante informar às famílias sobre a mudança de direção e apresentar-se a elas, mandando uma carta ou chamando-as para uma primeira reunião - até porque levar em conta o perfil da clientela e o que ela espera da escola é fundamental para rever (ou fazer pela primeira vez) o projeto político-pedagógico da escola.

Esse processo inicial leva tempo - às vezes, semanas, dependendo do tamanho da instituição. Somente ao final dele você estará apto a fazer um planejamento, apresentar propostas para a melhoria do ensino e colocá-las em discussão antes de concretizar um plano de trabalho. "Desse modo, as pessoas olharão para o conjunto de metas como um guia de objetivos compartilhados capazes de legitimar a direção diante do grupo e da comunidade", diz Correali.

Mesmo com esse diagnóstico, haverá desafios a superar. Um cenário comum é que professores e funcionários, por ansiedade ou insegurança, tentem resolver questões particulares logo de cara, dizendo "não quero mais o meu horário" ou "estou cansado de supervisionar o recreio", por exemplo. Diante disso, é bom ter em mente que problemas pessoais, salariais e de sobrecarga de trabalho que preocupam e desanimam sempre existirão. "Se há desestímulo, é importante ouvir, entender as razões e buscar soluções em grupo. Contudo, nenhum diretor pode deixar que o foco - que é a aprendizagem - se desvie. Os demais problemas receberão atenção, cada um a seu tempo", diz Angela Maria Oliveira Mello, coordenadora de cursos de formação para gestores e consultora da Fundação Lemann, em São Paulo. O mesmo vale para a burocracia e os problemas de infraestrutura, que não devem consumir a agenda do novo líder.

Um grande parceiro nessa etapa pode ser o ex-diretor, se ele topar compartilhar sua experiência e apontar os problemas mais urgentes. Porém não é raro que a equipe anterior esteja ausente ou fechada ao diálogo. Nesse caso, para não ficar perdido, é preciso pedir ajuda constante aos docentes e aos demais funcionários. A Secretaria de Educação também deve oferecer auxílio, mas até mesmo os gestores mais tarimbados dizem que esse apoio ainda é insuficiente. Essa foi uma das conclusões da pesquisa Práticas de Seleção e Capacitação de Diretores Escolares, feita pela Fundação Victor Civita.

Na próxima página, leia um breve panorama sobre o trabalho do diretor escolar e veja um quadro com dicas para se sentir mais seguro nos primeiros dias. Você também pode ler os depoimentos de gestores contando como estrearam na função. E seja bem-vindo à liderança!

 

Um panorama sobre a direção

A relação entre a escola e a Secretaria de Educação interfere diretamente na qualidade do trabalho do diretor escolar. É o que mostra o estudo Práticas de Seleção e Capacitação de Diretores Escolares, encomendado pela área de Estudos e Pesquisas da Fundação Victor Civita (FVC) e coordenado por Heloísa Lück, diretora educacional do Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado (Cedhap), em Curitiba, com patrocínio de Itaú BBA, Instituto Unibanco, Fundação Itaú Social e Fundação SM e apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). Realizado entre maio e novembro de 2010, o estudo teve a colaboração de Secretarias de Educação de 24 estados e 11 municípios.

A seguir, as principais conclusões:

  • A eleição - realizada de forma exclusiva ou combinada com outras modalidades, como indicação, entrevista e provas - é a prática mais comum de seleção para o cargo de diretor, adotada por 62% das Secretarias estaduais e 82% das municipais. Porém não tem atingido seu objetivo, que é um maior envolvimento da comunidade na gestão e em ações de melhoria à escola. Isso porque ela repete os vícios cometidos pela sociedade nas eleições político-partidárias do país.
  • Há pouco interesse dos professores em assumir a função - média de um ou nenhum candidato ao cargo - devido ao aumento das responsabilidades, ao baixo retorno pessoal e profissional e à falta de apoio das Secretarias de Educação.
  • Apesar de a formação continuada de diretores ser importante para o bom exercício da gestão e oferecida pela maioria das Secretarias estaduais (95%) e municipais (73%), os diretores reclamam que o conteúdo abordado nesses cursos tem pouca relação com as demandas do cargo.

Dicas Gerais

Certos cuidados ajudam todo novo diretor a se aproximar da equipe e da comunidade:

- Lembre-se de que é preciso tempo para transformar uma cultura institucional.

- Não apresente projetos prontos: discuta-os antes com a equipe e ouça sugestões.

- Valorize os pontos positivos da gestão anterior.

- Aceite críticas e opiniões contrárias às suas sem levar para o lado pessoal.

- Aproxime-se de quem está com dúvidas ou se mostra resistente e mostre que há espaço para o debate e a colaboração de todos.

- Tenha justificativas concretas sobre decisões que objetivam melhorar as condições de ensino.

- Abra a sala da direção à comunidade escolar para receber as famílias e os membros da equipe.

- Deixe-se conhecer pelos colegas.

Quer saber mais?

CONTATOS
Agnelson Correali
Angela Maria Oliveira Mello
EE Djalma Ferreira de Souza, tel. (65) 3644-1536
EM Dr. Júlio Soares, tel. (31) 3277-1141
EM Glorinha Pimentel, tel. (11) 2279-5785
EMEF Chico Mendes, tel. (51) 3289-5836

ANÚNCIO