Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu
Blog Coordenadoras em Ação
foto Muriele Massucato
Muriele Massucato
foto Eduarda Diniz Mayrink
Eduarda Diniz Mayrink

Como promover um bom acolhimento e adaptação das nossas crianças

Olá, colegas,

No post anterior conversamos sobre o acolhimento das famílias na primeira Reunião de Pais, agora quero comentar um pouquinho sobre o acolhimento de nossos bebês e crianças. Esse processo precisa ser bem cuidado por toda equipe escolar e cabe a nós, gestores, problematizarmos todas as questões, evitando que o começo da relação professor-aluno seja “automatizado”, sem o planejamento de propostas que proporcionem a construção de vínculos e confiança.

Os pequenos precisam de um tempo para se sentirem seguros no ambiente escolar e isso está diretamente ligado à segurança que transmitimos a seus pais (ou responsáveis). Pensando nisso, no final do ano passado, a direção organizou uma reunião com os pais dos alunos novos em que foi passado um vídeo explicativo da escola e as dúvidas imediatas foram esclarecidas. No mesmo encontro, foram explicitadas as ações que esperamos das famílias: serem parceiras, respeitar a ampliação gradativa do tempo que a criança permanece na creche sem companhia, garantir a frequência regular e encorajar os pequenos a vencerem esse desafio.

Conversamos sobre isso na reunião pedagógica em que acolhemos os professores. Eu e os demais membros da equipe gestora acreditamos que criar modelos de ações de acolhimento seja uma forma interessante de demonstrar a importância de alguns cuidados neste sentido, portanto, precisamos sempre ter esta preocupação em toda e qualquer reunião.

Agora pensemos: se para nós, adultos, já é bastante delicado – e, para alguns, até mesmo sofrido - o retorno ao trabalho ou o início em um novo ambiente profissional, com colegas novos, imagine para as crianças. Considerando isto, planejamos uma ação formativa para trabalharmos formas de acolhimento dos pequenos e de suas famílias, baseando-nos nos princípios norteadores da Rede Municipal de São Bernardo do Campo: gestão democrática, acesso, permanência e sucesso escolar e prática pedagógica. Veja aqui nosso material.

Refletimos sobre as ações, dando oportunidades de diálogo efetivo com os pais, propostas de avaliação durante o ano letivo, incentivos à participação das famílias na escola e uma postura aberta a ouvir as questões que eles apresentarem. Quanto aos bebês, refletimos sobre a importância de práticas que propiciem o encantamento e o quanto a decoração dos espaços e disposição dos brinquedos e materiais pode ser favorável. Procuramos ainda respeitar a individualidade de cada um, observando seus comportamentos e preferências, deixando que tragam seus objetos de apego que remetem à sua casa ou à sua família.

O tempo na escola é outro fator que merece cuidado especial. No início, as crianças ficam em média duas horas junto aos seus responsáveis, tempo que vamos ampliando gradativamente durante quase todo o mês de fevereiro. Sabemos o quanto isso pode ser complicado aos pais que trabalham fora, mas pensar no bem-estar da criança é fundamental, evitando traumas e sofrimentos desnecessários. Portanto, orientamos as famílias a seguirem os horários com rigor, para que os bebês e as crianças sintam-se seguros com a vinda diária. A afetividade dos educadores faz-se ainda essencial na construção de vínculos que serão a base desta relação.

Em relação às crianças maiores, combinamos atividades lúdicas, que propiciem a integração das turmas e também rodas de conversa para que possam colocar suas expectativas. Outro ponto importante foi organizar os combinados “com” a turma e não “para” a turma. A ideia de um “contrato” faz com que todos se sintam participantes no processo. Quanto ao 1º ano Ensino Fundamental, foi combinado um acolhimento com redução de horário e ampliação gradativa, considerando a faixa etária das crianças e a transição a partir da Educação Infantil. Lembremos que mesmo no Ensino Fundamental todos são crianças e precisam de práticas pedagógicas que respeitem essa fase tão relevante da vida.

A professora do laboratório de informática fotografou as propostas discutidas e estamos pensando em fazer um vídeo sobre as experiências realizadas para ser exibido às famílias na próxima reunião. Por fim, orientamos os professores a registrarem tudo nos seus planos de ação para que possam refletir sobre as ações e replanejar, caso necessário.

Ufa, quantos detalhes! Mas como é bom estar vendo diariamente o resultado de todas essas conversas na prática. E vocês, como tem pensado a respeito?

Um abraço e até a próxima,

Muriele Massucato

ANÚNCIO
LEIA MAIS
OUTROS BLOGS