Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu
Blog Coordenadoras em Ação
foto Muriele Massucato
Muriele Massucato
foto Eduarda Diniz Mayrink
Eduarda Diniz Mayrink

Alunos protagonistas tomam decisões no dia a dia em sala de aula

Em projeto sobre brincadeiras de ontem e hoje, os professores polivalente e de Educação Física deram voz aos estudantes

É comum que, no dia a dia da escola, as crianças executem atividades planejadas pelos professores e tenham pouca ou nenhuma participação na tomada de decisões. Como coordenadora pedagógica, me preocupo com isso e converso com os docentes sobre o cuidado que precisam ter de considerar a opinião dos pequenos durante a rotina, em situações como a organização do espaço ou de um agrupamento e a construção de uma regra.

Gostaria de compartilhar um exemplo bacana que aconteceu no ano passado. Quando a professora de Educação Física Cida Caldeira estava planejando os conteúdos do semestre, ela definiu que, nos primeiros anos do Ensino Fundamental, os jogos e brincadeiras (eixo da matriz curricular) seriam trabalhados com o foco de conhecer a comunidade, aqueles que fizeram parte da infância de seus familiares e de outras culturas. Justificou com o seguinte termo de Max Haetinger: “Nossa sala de aula deve ter espaço para os brinquedos e brincadeiras de hoje, mas também para os jogos que acompanham nossa cultura”.

Em seguida, a professora realizou um levantamento dos jogos conhecidos e apreciados pelas crianças e também solicitou uma pesquisa com os familiares. Com o acervo que apareceu nas turmas do 1º ao 5º ano, a docente preparou uma diversidade de experimentações com variações da mesma brincadeira dependendo do local e da cultura.

Quando conversamos, a educadora colocou seu desejo de registrar esses jogos e brincadeiras que seriam vivenciadas nas suas aulas e me fez algumas perguntas: Qual registro poderíamos fazer?  Poderia ser um painel com fotos?  Um DVD com registros das crianças brincando? As crianças poderiam desenhar? Poderia ser um livro com fotos e desenhos? Achei ótima a colocação da professora, pois o registro das atividades é de suma importância para a formação dos alunos e do professor.

No entanto, além de incentivar, o meu papel naquele momento era de problematizar a ideia posta. Então, perguntei: “Que tal dar às crianças o poder de decidir qual seria o melhor tipo de registro das brincadeiras?”. Essa pergunta fez toda a diferença nas decisões tomadas posteriormente. Cida questionou os pequenos, que sugeriram um livro de brincadeiras na escola, com imagens e regras.

Foi então que a ideia de escrever o livro foi desenvolvida. As etapas foram brincar bastante, conhecer e registrar as regras e desenhar as brincadeiras. Toda a produção ficou nas mãos dos alunos, enquanto a professora cuidou da organização. O lançamento do livro representou a culminância de um trabalho que integrou um contexto real de atividades desenvolvidas nas aulas de Educação Física, colocando as crianças como protagonistas de todas as etapas do processo de aprendizagem. 

E vocês coordenadores, já refletiram com os professores ou problematizaram com eles onde está a participação das crianças nas decisões a serem tomadas na prática da sala de aula? Compartilhem suas ideias sobre esta questão.

Um abraço,

Eduarda

 

ANÚNCIO
LEIA MAIS
OUTROS BLOGS