Ir para o conteúdo Pular para o menú principal
ANÚNCIO
Você sabia que é possível salvar matérias para ler mais tarde? Use o botão icone ler mais tarde Ler mais tarde
icone menu

Escola em tempo integral ou formação integral: o que o diretor tem a ver com isso?

por:
Priscila Arce
Priscila Arce
Alunos dançam carimbó | Foto: Priscila Arce

A escola em tempo integral e a formação integral caminham juntas ou separadas dependendo de qual for a proposta desenvolvida no país. Os pioneiros da Educação em 1932 foram os primeiros na história da Educação brasileira a defender a formação integral. E, com o passar dos anos, vivemos experiências transitórias que de alguma maneira tentaram concretizar a escola em tempo integral. O marco inicial dessas experiências  foi a do Centro Educacional Carneiro Ribeiro na Bahia; prosseguindo com Parques Infantis,, gerido por Mario de Andrade; o Programa de Formação Integral da Criança (PROFICs); Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs); os Centros de Atenção Integral à Criança e ao Adolescente (CAICs); São Paulo é uma Escola; Escola Plural de BH, entre outros projetos.

Atualmente, o ministério da Educação (MEC) tem o programa Novo Mais Educação como forma de apoiar municípios que tentam empreender a ampliação do tempo de permanência das crianças na escola com aporte financeiro por meio de atividades oferecidas no contraturno. A maioria das propostas que tentaram ampliar o tempo das crianças na escola procuravam protegê-las da sociedade e da violência das ruas, tendo em vista a insuficiência de outras políticas sociais e, fundado nessa perspectiva, poucos projetos conseguiram fazer caminhar a formação integral e o tempo integral.

Em São Paulo, as escolas municipais em tempo integral realizam adesão de forma optativa e funcionam durante sete horas diárias. Chegado o final de ano, tivemos que realizar uma séria avaliação a respeito da adesão de ampliação do tempo de permanência das crianças na escola, por mesmo do conselho de escola com representantes de todos os segmentos. Muitas escolas escolheram prosseguir com a ampliação do tempo. No geral, as unidades se destacaram por promover debates aprofundados de sua realidade aliados ao que fundamenta a existência do tempo integral em seu território. Nesse momento, o papel do diretor de escola é fundamental na mediação e na interlocução entre os sujeitos com vistas a garantir as tomadas de decisão com a equipe escolar e a comunidade.

Considerar as experiências dos estudantes, dos professores, dos funcionários da escola e da comunidade na ampliação do tempo e ainda tornar a ampliação optativa aos territórios é uma decisão acertada, pois se preserva a autonomia da escola e a dialogicidade entre a administração central e local na implementação dessa política pública. Devemos levar em consideração que tem regiões brasileiras que vão se beneficiar das propostas, em contrapartida, outras serão prejudicadas por não terem condições concretas para viabilizar a experiência, acabando por ampliar por sete horas diárias o que não funciona em cinco horas.

O importante é considerar o Projeto Político-Pedagógico (PPP) e a relação com seu território, sua comunidade, as necessidades locais e as condições concretas para existir em tempo integral. Por ora, o desafio está na formação integral e no resgate do corpo que a Educação tradicional recusa, como defende Ana Maria Freire. Abandonamos no currículo os afetos, as emoções, as experiências, a cultura, a arte e a vida que, em especial, tem ficado para fora dos muros da escola.

 Sabemos que a média brasileira de permanência na escola é baixa em relação a outros países. Mas ampliar o que está sucateado não me parece o melhor caminho. Existem propostas de dedicação exclusiva do docente que, frequentemente, não vem acompanhadas pela valorização salarial desses profissionais. Sendo assim, um conjunto de condições concretas precisam existir para vivermos a escola de tempo integral.

Em contrapartida, a formação integral precisa acontecer de forma imediata. Defendo que não devemos tirar as crianças da rua e sempre levanto a discussão de que precisamos melhorá-la para voltarmos a ocupá-la, assim como diz  o educador Tião Rocha. Muitas vezes, apenas pensamos em ampliar o tempo do aluno na escola e pouco se investe no tempo da criança na cidade e em outros espaços públicos. A escola é apenas um deles e não pode consistir como a única política de formação dos sujeitos na infância e adolescência. Nessa perspectiva todos educam todos e aprendemos com pessoas e em lugares que estão além da escola. Destina-se um papel muito ingrato às escolas quando apenas nesse espaço se pensa e trabalha na busca da formação integral dos sujeitos.

Sabemos que a sociedade – pautada no excesso de horas de trabalho e que rejeita a necessidade do ócio ou o desemprego permanente por parte de seus agentes – têm onerado as relações sociais e prejudicado o desenvolvimento das crianças, e consequentemente a sua formação integral.

Precisamos então avançar, para dizer que a formação integral da criança e do jovem é de responsabilidade da sociedade. Qualquer Educação que se pretenda construir em tempo integral deverá se unir às pessoas de sua comunidade na construção de um projeto social para o seu bairro. E se currículo escolar excluir o corpo, os valores e os sujeitos da cidade desse diálogo voltamos apenas a guardar as crianças na escola com cadeado no portão, grades e muros altos. Uma professora amiga minha costuma dizer: “são cinco horas de escola e 19 horas de rua”. Isso acaba com a escola. Se a escola prosseguir deslocada de um projeto de vida e de cidade, 19 horas de rua jamais dialogarão com cinco ou mais de escola.

Priscila Damasceno Arce é diretora da EMEF Sebastião Francisco O Negro, na zona leste de São Paulo-SP. Estudou em escola pública a vida toda e também foi professora e coordenadora pedagógica. É especialista em alfabetização e mestranda em formação de formadores pela PUC-SP.

ANÚNCIO
LEIA MAIS