Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
Produzido por:
Conviva Educação
12 de Setembro de 2018
5 4 3 2 1

Como a união de municípios melhora a Educação

Parceria entre Secretarias Municipais mostra avanços na gestão e economia de recursos

Foto Ricardo Aialla/Itaú Social

No III Encontro da Rede de Consórcios Intermunicipais de Educação, que ocorreu em João Pessoa (PB) no início de agosto, duas ideias se sobressaíram. “É impossível fazer política pública sem parcerias. Precisamos mudar a cultura de que basta um município ter bons resultados: todo o território precisa crescer”. “É importante fortalecer uma rede de secretarias de educação para o trabalho coletivo. Vereadores, prefeitos e comunidade precisam saber dos benefícios que a ação conjunta pode trazer”.

O encontro reuniu representantes de Consórcios Públicos e de Arranjos de Desenvolvimento da Educação (ADE) de municípios de São Paulo, Piauí, Maranhão, Paraíba, Bahia, Alagoas e Santa Catarina. Os Consórcios presentes foram Civap, Conisul, Amvapa, Codivar, Cogiva, Cisama, Ciapra, CDL-LS e Chapada Forte. Entre os ADE, estavam Chapada Diamantina, Granfpolis, Cogemfri, Noroeste Paulista, G5 do Piauí, Dos Guarás no Maranhão, Cajarás e Saber.

LEIA MAIS Gestor deve se opor à inércia e aceitar riscos

Juntos, esses grupos são responsáveis pelo atendimento de mais de 1 milhão de estudantes da educação básica em seus municípios (no vídeo abaixo, Samara Cunha, da Fundação Itaú Social, conta mais detalhes sobre o evento).

Consórcios Públicos e ADE

Consórcios públicos que atuam na educação por meio de Câmaras Técnicas e ADE são instâncias de colaboração que envolvem prefeituras e secretarias de educação de diferentes municípios – é o Regime de Colaboração horizontal sendo implementado na prática (leia mais sobre o assunto na nova área do Conviva). Com eles, os gestores estabelecem acordos e momentos coletivos de tomada de decisões, assim como discussão de políticas públicas educacionais. “Ambos têm perfil propositivo ou deliberativo, com papel de melhorar a qualidade de gestão das redes para chegar no público principal, que é o aluno. O que diferencia os dois é o grau de formalidade: enquanto o ADE é uma rede de secretarias sem personalidade jurídica, o consórcio é uma instância constituída por intermédio de um consórcio público em que fazem parte dois ou mais municípios, e que estão amparados na Lei de Consórcios Públicos (acesse a lei na biblioteca do Conviva). Desse modo, às Câmaras Técnicas, de modo distinto dos ADE, é facultada a possibilidade de deliberar sobre a prestação conjunta de serviços públicos educacionais e realizar compras públicas de insumos para as redes”, explica Thamara Strelec, coordenadora do projeto Rede de Apoio à Educação (RAE) do Instituto Natura.

LEIA MAIS Como o trabalho cooperativo melhora o clima escolar

Thamara cita alguns dos benefícios vistos na prática: um ADE pode promover discussões sobre currículo, compras, qualidade dos insumos contratados, calendário escolar ou outros aspectos de planejamento. “Por unir um grupo, o ADE tem maior facilidade de negociação com fornecedores e atração dos melhores, contribui no alinhamento dos materiais adotados, compartilhando as discussões coletivamente, com transparência e qualidade na tomada de decisões”, diz.

Já os consórcios podem atuar nos itens acima, mas também fazer contratações públicas consorciadas, o que permite ganhos em escala nas compras (como para material escolar e contratação de formação de professores), o que inclui valores licitatórios ampliados.

Quando todos ganham

Cybele Amado, do Instituto Chapada de Educação e Pesquisa, o ICEP, é uma das pioneiras no assunto e responsável pela criação do ADE da Chapada Diamantina, na Bahia, na década de 1990. Na época, o objetivo era a alfabetização das crianças das séries iniciais. Atualmente, 89% das crianças da localidade sabem ler e escrever ao final do 1º ano.

“O ADE tem mais flexibilidade e diálogo do que no consórcio, com espaços menos burocráticos: as relações que se estabelecem são mais ágeis”, diz.

Veja abaixo mais detalhes sobre o trabalho do ICEP no depoimento de Cybele.

 

E não faltam exemplos de consórcios de sucesso. Veja abaixo os depoimentos de quatro dos consórcios presentes no encontro em João Pessoa.

Ida Franzoso de Souza, do Consórcio Intermunicipal do Vale do Paranapanema (Civap)

“O Civap reúne 31 municípios. Nos 33 anos de existência do Consórcio, o foco foi o trabalho nas áreas de planejamento, saúde e meio ambiente. Em 2015, envolvemos os secretários e criamos a câmara técnica de educação. Hoje essa área é a menina dos olhos do Civap: dentre as muitas dificuldades, escolhemos trabalhar na melhoria do Atendimento Educacional Especializado (AEE). Durante dois anos, a equipe se debruçou sobre os problemas do dia a dia e recentemente preparou um guia que pudesse ser utilizado pelos outros municípios. Outra dificuldade apresentada pela área da educação foi relacionada à compra de material escolar: graças ao esforço do Consórcio, hoje existe a economia de 50% dos recursos financeiros. Ganhamos em escala e no preço. Esse foi um grande exercício para que os gestores compreendessem o que é trabalhar de maneira compartilhada, em cooperação. Para isso ocorrer, fazemos encontros mensais, com pauta e programação pré-determinada. Além da câmara técnica, defendemos a figura de um coordenador, uma pessoa que fique responsável por unir a agenda de todos.

O grupo é unido e presta contas de suas atividades. A riqueza da troca é grande, com consciência da importância do compartilhar. Essa é a essência e o maior ganho que o consórcio nos trouxe”.

Rodrigo Cavalcanti Matias do Nascimento, do Consórcio Intermunicipal de Gestão Pública Integrada dos Municípios do Baixo Rio Paraíba (Cogiva)

“O Cogiva reúne 16 municípios. Criado em 2010 para resolver questões sobre resíduos sólidos, em 2013 perdeu a força. Em 2015 é que passou a ter como foco a educação e então o consórcio foi reerguido. Para enfrentar os problemas com a educação, fizemos diagnóstico da realidade regional e vimos que deveríamos investir na educação infantil. Em 2016, começamos a desenhar um projeto regional da educação para universalizar o atendimento das crianças de pré-escola (conforme a meta do Plano Nacional de Educação, o PNE), realizar a formação de professores e sensibilizar os pais sobre a importância dessa etapa. Quando a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ficou pronta, fizemos encontros diversos e criaremos uma matriz de referenciais da educação infantil regional, com participação dos coordenadores pedagógicos, técnicos e professores. Sabendo desses avanços do trabalho, o estado da Paraíba passou a reconhecer nossas ações, nos ofereceu apoio e pediu a colaboração para também pensar o trabalho coletivo”.

Graciene Alencar, do Consórcio Intermunicipal do Sul do Estado de Alagoas (Conisul)

“O Conisul reúne 17 municípios. Criado para atender a área da saúde, em 2018 ampliou a atuação para o trabalho com educação. A primeira expectativa que tínhamos era a realização de compras consorciadas para economia de recursos, mas conforme estamos conhecendo outras possibilidades, já estamos ampliando as ações planejadas. Temos muito o que avançar nos indicadores educacionais e na melhoria da aprendizagem, e queremos aprender com os municípios vizinhos que demonstram melhores resultados sobre as estratégias que utilizam. Também pretendemos reformular os planos de cargos e carreiras, e ainda construir referenciais curriculares regionalizados”.

Foto Ricardo Aialla/Itaú Social

Jorge Paulo de Oliveira, da Associação dos Municípios do Vale do Alto do Paranapanema (Amvapa)

“A Amvapa reúne 18 municípios. Criada na década de 1990, em 2012 passou a ter como foco a educação. Ao entrar em contato com dirigentes que enfrentam problemas parecidos e que buscam soluções conjuntas, todos se fortalecem. O resultado não é uniformizar, mas trazer unidade. Acredito que viver em sociedade é estabelecer parcerias e solidariedade. Em 2017, graças ao consórcio, realizamos um Fórum de Educação Infantil que foi melhor do que as expectativas: cada município pode colocar em evidência suas práticas, trocando ideias. Outro ganho importante para o grupo de municípios foi a compra conjunta de material escolar: além de garantirmos controle de qualidade dos itens e padronização em nossa região, ao invés dos R$ 18 milhões previstos inicialmente, gastamos R$ 7 milhões. Em época de crise, ações como essas são essenciais”.

Ameaças e diálogo

No entanto, existem ameaças. A pesquisa “Consórcios Públicos: estratégias e mecanismos de gestão para a continuidade das políticas públicas”, organizada pelo Movimento Colabora e Fundação Itaú Social, indica que as maiores ameaças para a continuidade do consórcio estão ligadas aos aspectos financeiros de funcionamento dos consórcios e dos próprios municípios. A mudança de prefeitos ou a troca de secretários municipais de educação também aparecem como causa da interrupção do trabalho coletivo (saiba mais neste site e no depoimento abaixo, de Juliana Yade, da Fundação Itaú Social):

 

Para envolver prefeitos, vereadores e outros atores para o melhor funcionamento da parceria entre municípios – evitando, conforme aparece na pesquisa citada acima, a interrupção do trabalho – é preciso que a secretaria de educação esteja informada e tenha argumentos para apresentar os possíveis resultados das ações em Regime de Colaboração. “Muitas vezes, prefeitos acreditam que perdem seu poder de decisão se seus municípios fazem parte de um consórcio. Cabe aos secretários de educação esclarecerem que esse é um órgão subordinado aos municípios e que os prefeitos executam as ações de forma voluntária. O consórcio aumenta a capacidade de atuação do prefeito, visto que contribui para a efetivação das políticas públicas de educação e a satisfação dos cidadãos”, explica Gustavo Adolfo Santos, gerente de programas da Oficina Municipal, escola de gestão pública.

A forma como a Secretaria de Educação dialoga com seus interlocutores na prefeitura é essencial: quanto mais informações transmitir sobre o assunto, mais rápido e efetivo é o envolvimento do prefeito e dos vereadores, que são sua base na câmara municipal. Afinal, como compara Valéria Cristina Rosa Pontes, do Consórcio de Desenvolvimento Intermunicipal do Vale do Ribeira e Litoral Sul (Codivar): “Se a escola tem 10 problemas, a secretaria tem 100 e o prefeito tem 1.000. Por isso, a secretaria tem que apresentar dados objetivos e argumentar para que o prefeito compreenda os objetivos de um consórcio ou de um ADE”.

Para reforçar o apoio ao Regime de Colaboração, as secretarias podem contar com outras prefeituras e secretarias que estão com os mesmos interesses nas ações. “Quando um prefeito escuta um grupo de gestores de sua região indicando as melhorias causadas por consórcios e ADE, tende ficar mais envolvido. O secretário e outros integrantes podem explicar, por exemplo, de que forma melhorar os resultados com o apoio intermunicipal, como de aprendizagem e na diminuição de custos”, sugere Gustavo.

*Este texto foi publicado originalmente na plataforma Conviva Educação e adaptado para o site de Gestão Escolar

Conviva Educação é uma iniciativa da Undime e 12 instituições criada em 2013 para apoiar os Dirigentes Municipais de Educação no trabalho cotidiano. Há conteúdos, ferramentas e áreas de trocas de experiências disponibilizadas gratuitamente. Para conhecer, acesse: www.convivaeducacao.org.br

Aprofunde sua leitura

Assuntos Relacionados